Pesquisa realizada por Thiago André Vilela da Cruz, Rodrigo Paulella, orientados pelo professor Leandro Valente, como método de avaliação para Conclusão do Curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Jaguariuna, turma de 2010.


Abaixo segue texto da imagem:

INTRODUÇÃO

A prática de confinamento de peixes se desenvolveu na China e Japão entre 970 a 1279 DC. No século 17 chegou na Europa, no século 19 na América do Norte e especificadamente no final do século 19 chegou no Brasil (FAO 2000).


A aquariofilia, movimenta cerca de três bilhões de dólares por ano (FAO 2000), um dos espécimes cultivados é a Ciprinus carpio ou Carpa (nome popular), animal que possui alta capacidade para suportar variação de temperaturas, entre 2oC a 34oC, e podem ser criadas em todo território nacional

São animais pacíficos, que convivem bem em cardumes e ou em interação com humanos, o que os torna apreciados por aquaristas e por consumidores de sua carne. A Carpa capim e carpa cabeçuda são alguns exemplares de peixes que são criados para consumo humano.

Nos sistemas de criação, uma das doenças que tem ocorrido com certa frequência é a Viremia Primaveril.

Dentro desta perspectiva se torna fundamental o levantamento de dados referentes à possíveis doênças que possam acometer a saúde destes animais, para que possamos como Médicos Veterinários traçarmos padrões de aparecimento e manifestações buscando tratamentos efetivos e sucesso no nosso trabalho!

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A Viremia Primaveril da Carpa (VPC) é causada pelo Rhabdovirus carpio (Yanong, 2007), pode induzir uma rápida hemorragia aguda, tem alto poder de mortalidade e morbidade, principalmente em peixes juvenis, acomete diversas espécies de carpas e outras espécies.


A doença causada pelo Rhabdovirus foi relatada pela primeira vez na China, o nome de Viremia Primaveril da Carpa (VPC), é dado, pois os sinais clínicos começam a surgir no inicio da primavera, devido os animais estarem imunologicamente debilitados pela baixa temperatura da água no inverno, e ao início da primavera a temperatura da água aumenta, a doença ocorre temperatura em torno18oC  (Mabília, 2009)

O vírus pode sobreviver fora do hospedeiro na natureza por 5 semanas a 10oC, em lagoas com deposição de sedimento (lama) pode sobreviver por 6 semanas a 4oC e 4 semanas a 10oC, aves que comem peixes podem ser vetores da doença.

O vírus pode ser inativado se mantido em pH 12 por 10 minutos, pH 3 ou por 3 horas, por 30 minutos 60oC. Alguns desinfetantes que podem ser eficientes na inativação do vírus são: fomalina 3% por 5 minutos, hidróxico de sódio a 2% por 10 minutos, 540 mg. de cloro em um litro de água por 20 minutos (OIE), irradiação U.V. (254 nm) e irradiação gamma (103 krads). (ISUCVM, 2010)

Uma das formas de acesso do vírus ao hospedeiro é através das brânquias, e posteriormente o mesmo se propaga rapidamente atingindo o fígado, os rins, o baço e as brânquias. O cérebro apresenta menor presença de vírus e o animal infectado pode propagar a virose através da urina, das fezes, do muco branquial e exudatos de bolhas formadas na pele (OIE, 2010). Normalmente a transmissão é de forma horizontal, porém ela pode ser de forma vertical, uma vez que o vírus é encontrado em fluido ovariano.

Vetores qual se deve tomar cuidado são: o piolho d água (Argulus sp.) e Sanguessuga (Piscicola Sp.), pois, ao se alimentarem do sangue de um animal infectado, se tormam portadores do vírus, mas não apresentam a doença,  ao parasitarem um animal sadio transmitirão o Rhabdovirus carpio.

Os indícios característicos da VPC são, ascite abdominal (hidropisia  acúmulo de serosidade – Figura 3), úlceras em pele (Figura 1 e Figura 2), lesões em nadadeiras (Figura 4), escamas arrepiadas (eriçadas), natação lenta e com dificuldade (Mabília, 2009), alem de outros sinais citados por Yanong (2006) como: perda de sangue por cavidade anal, guelras, pele e olhos.


Figura 1 Animal apresentando úlceras na pele - Arquivo próprio


Figura 2 Animal apresentando úlceras na pele - Arquivo próprio



Normalmente os peixes infectados ficam próximos de uma zona de oxigenação no lago (na entrada da água, queda de cascata). (Yanong, 2006)


Os sinais clínicos de infecção secundária por bactérias, preferencialmente Aeromonas (A. salmonicida) ou (A. hydrophila) podem dificultar ou sobressair o correto diagnóstico (Petty, 2010).

A ingestão de um animal contaminado por Aeromonas hydrophila (alto poder de infecção), por um homem que esteja com debilidade no seu sistema imunológico pode levar a morte. (Vieira et al, 2004)

DISCUSSÃO
 
Com o crescimento da aquariofilia, surge a necessidade do medico veterinário, responsável tanto pelo processo de produção, como e pela qualidade do produto para o consumo final, podendo trabalhar em toda a cadeia produtiva, desde a orientação de qual espécie é melhor para determinada região, até no processamento do produto, focando principalmente as questões sanitárias e prezando e preservando sempre a saúde da população. (Gregolin, 2009)


O Ministério da Pesca e Aqüicultura criado pelo governo, planeja instituir novos projetos para o aumento da produção de pescados, com maior controle sanitário, gerando aumento da arrecadação e maior profissionalização do setor.


Um grande problema ainda enfrentado no setor é a falta de profissionais capacitados para o desenvolvimento da atividade, problema enfrentado em todos os níveis hierarquicos, prejudicando o incremento da produção. (Albinati,2007)

Embora haja espaço nesse emergente mercado de trabalho, o setor carece de profissionais capacitados para atuarem de forma a permitir a sustentabilidade do setor. (Albinati, 2007)

Mabília (2009) afirmou que o vírus causador da Viremia Primaveril, se multiplica em tecido renal e endotélio capilar, causando um desequilíbrio iônico, que pode levar os animais a morte. Todo invíduo infectado se torna um reservatório do vírus pelo resto da vida, por isso, quando comprovada, a doença, é de notificação obrigatória no MAPA e todo o lote terá de ser exterminado

Os sinais clínicos de infecção secundária por bactérias, preferencialmente Aeromonas (A. salmonicida) ou (A. hydrophila) podem dificultar ou sobressair o correto diagnóstico (Petty, 2010).

A ingestão de um animal contaminado por Aeromonas hydrophila (alto poder de infecção), por um homem que esteja com debilidade no seu sistema imunológico pode levar a morte. (Vieira et al, 2004)

A prevenção é sem dúvida alguma a melhor forma de controle da doença, para isso é importante manter boas práticas de higiene, como, ter um destino adequado para água de descarte, desinfecção de equipamentos utilizados na criação, desinfecção regular de lagos e lagoas, manejo adequado que diminua o estresse por manipulação, no inverno diminuir o volume de animais estocados em uma mesma lagoa, para que os índices químicos não se alterem rapidamente, se a criação possuir um controle de temperatura, e interessante manter a água entre 19 e 20º C

Quando a temperatura ultrapassa os 20º C, a doença desaparece, com temperatura acima dos 25º C os animais param de vir a óbito. É recomendado como tratamento de suporte, aumentar a temperatura do lago, caso não seja possível devido ao tamanho do lago, deve-se então, colocar o (s) animal (s) em um compartimento (aquário ou caixa d água), com a mesma água do lago, que possa manter o controle da temperatura. Após a cura do animal o mesmo não deve ser introduzido em ambiente sem controle de temperatura. (Untergasser)

CONCLUSÃO
 
Contudo concluimos que a Viremia Primaveril da Carpa (VPC) é uma patologia de extrema importancia economica,social e sanitaria.Pois a propagação viral ocorre de maneira rapida e descontrolada, por se tratar de virus muito nocivo e quase sempre letal.


A contaminação occore em lagos,lagoas e aquarios tambem, levando em consideração que todos os animais presentes terão contato com o virus e diversos deles seram portadores e vetores tambem.

A conclusão final de patologia, muitas vezes é distinta,pois o animal apresenta sempre sinais não faceis de serem analisados por individuos que não conheçam o animal.Isto ainda torna indispensavel um Medico Veterinario presente em criadouros,ate o consumidor final.

A profilaxia do virus pode ser feita atraves de cuidados com o pH e bom manejo nos locais, e tambem impedir vetores como : o piolho d água (Argulus sp.) e Sanguessuga (Piscicola Sp.), nos locais ou regiõs proximas.O virus nos demonstra muito resistente por ate semanas em lagoas,lagos e rios e que ainda indica cuidado dobrado para estes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GREGOLIN, A. REVISTA CFMV, ENTREVISTA ADEMIR GREGOLIN MINISTRO DA PESCA E AQUICULTURA, ANO 15/2009 NÚMERO 48 – SETEMBRO/OUTUBRO/NOVEMBRO/DEZEMBRO, PAGS 5-8.
MABILIA, R, G, SANIDADE DE PEIXES ORNAMENTAIS, palestra apresentada na Importadora Aquarium Barra Funda em curso BIOSSEGURIDADE NA CRIAÇÃO E COMÉRCIO DE PEIXES ORNAMENTAIS, SÃO PAULO, SP. 2009
OIE. Manual of Diagnostic Tests for Aquatic Animals 2003: SPRING VIRAEMIA OF CARP. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2010.
YANONG, R. P. E, PEIXES DE AQUÁRIO, apud in ATLAS DE MEDICINA, TERAPEUTICA E PATOLOGIA DE ANIMAIS EXÓTICOS, INTERBOOCK, 2006 – SÃO CAETANO DO SUL - SÃO PAULO, PAGS. 81-111



Matéria postada por:

Med. Vet. Thiago André Vilela da Cruz 

Av. Dr. Armando Sales de Oliveira, 730 Taquaral Campinas SP - Cep 13076-015

Fone + 55 19 3294-0644 FAX +55 19 3294-9055

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A THIAGO ANDRÉ VILELA DA CRUZ, PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL POR QUALQUER MEIO SEM A AUTORIZAÇÃO POR ESCRITO DO AUTOR.




Em Deus nós confiamos !


3 Responses so far.

  1. Anônimo says:

    Curso Intensivo de Criação de Serpentes.
    Olá bom dia!
    Não sei se vocês tem procura por esse tipo de serviço mas gostaria de deixar contato caso haja interesse de algum cliente. Presto serviços sobre os seguintes tópicos:
    - sistemas de criação;
    - anatomia, morfologia, fisiologia e patologia das serpentes;
    - principais doenças (diagnoses, tratamento e profilaxia );
    manejo de serpentes venenosas e não venenosas;
    - técnicas de extração de veneno;
    - processo de secagem e armazenamento do veneno;
    - bioterismo;
    - toxicologia.

    Certificado so Curso ministrado pelo Herpetólogo Alemão Dr. Stefan Tutzer.

    Meu nome é Daniela e segue meu email:
    libelula19762010@gmail.com

    Obragada

  2. Depois de muito voltei a cuidar do meus hobys, aquarismo e net. e achei seu Blog muito legal. Estou Colocando um link do seu blog para meu.

  3. Marcos Neves says:

    Foram feitos experimentos para tratamento da doença utilizando um medicamento chamado Bacnev, apontando resultados significativos de melhora em Carpas infectadas. O mesmo fabricante informa que a análise dos resultados dos experimentos está sendo avaliada a fim de aperfeiçoar o medicamneto com intuito de certificar que o tratamento é realmente eficaz, ou seja, que o agente patológico é eliminado completamente do peixe e do sistema em que vive.