Todos os repteis são ectotermicos, ou seja, animais de sangue frio, os quais dependem de fonte externa de calor para manter sua temperatura corpórea e conseqüentemente as suas funções fisiológicas.

Desta forma as temperaturas corpóreas destes animais sofrem constantemente influencia do ambiente, porém isso não quer dizer que estes não consigam manter um controle de sua temperatura.

Os repteis vem se adaptando a milhares de anos, desenvolvendo mecanismos e técnicas para melhor controlar sua termoregulação, ou seja, diferente do que se pensava antigamente a temperatura corpórea de um réptil não reflete a temperatura ambiente.

O comportamento especifico das espécies de repteis que são mantidas em cativeiro deve ser conhecido no intuito de fornecer um ambiente apropriado no cativeiro. Basicamente, existem dois tipos de comportamento de termorregulação. Repteis que são heliotermicos, se aquecem ao sol para a regulação do calor e os que são tigmotermicos absorvem o calor por condutância dos objetos presentes no ambiente.

Repteis em cativeiro devem ser mantidos em conforto térmico, conhecido como “zona de temperatura ideal”, para isso, hoje no mercado nacional existem diversos produtos que conseguem muito bem representar o meio natural, e trazer ao cativeiro os comportamentos mais próximos da natureza (porém não há cativeiro que substitua a vida livre de um animal).

Estudos fisiológicos, filogenéticos e etológicos de cada espécie bem como o conhecimento de seus habitats naturais podem fornecer as informações necessárias para determinarmos a zona de temperatura ideal adequada para cada espécie dentro de um ambiente artificial.

Existem vários tipos de zona de temperatura ideal (ZTI), em função das adaptações destas espécies aos diversos biótipos habitados por estes animais, porém grande parte da zona térmica ideal das diversas espécies se encontram entre 20° e 39° Celsius.

A temperatura influencia diretamente todas as atividades metabólicas do organismo uma vez que a maior parte das reações bioquímicas é mediada por enzimas e estas por sua vez são temperatura-dependentes.
Portanto, se a temperatura do corpo do animal não estiver dentro de uma zona ideal, podemos verificar significativas disfunções que podem mesmo culminar com a morte do individuo.

Temos como exemplo situações em que a temperatura se encontra baixa, havendo queda na taxa de digestão alimentar e conseqüentemente putrefação do alimento dentro do trato digestivo e diversos outros problemas subseqüentes. Assim como a temperatura elevada que pode causar incapacidade de realizar funções metabólicas essenciais a manutenção da vida.

É importante após a decisão de se adquirir um réptil, a consulta a um médico veterinário especialista, o qual determinara as necessidades do animal em ambientes artificiais e seus cuidados.


Escrito por: Ronaldo Matias de Araujo (Medico Veterinário de Silvestres e Pequenos Animais).


BIBLIOGRAFIA:

GOULART, Carlos E. S.. Herpetologia, Herpetocultura e Medicina de Répteis. 1° edição Rio de Janeiro: L.f.livros, 2004.


AGUILAR, Roberto; DIVERS, Sonia M. Hernández-; DIVERS, Stephen J. Hernández-. Atlas de Medicina, Terapêutica e Patologia de Animais Exóticos. 1° edição São Caetano do Sul, Sp: Interbook, 2006.


CUBAS, Zalmir S.; SILVA, Jean C. R.; CATÃO-DIAS, J. L.. Tratado de Animais Selvagens: Medicina Veterinária. 1° edição São Paulo: Roca, 2006.

ALDERTON, David..Firefly encyclopedia of the vivarium. 1° edição U.S: A Firefly Book 2007.

BAYS, T. B; LIGHTFOOT, T; MAYER, J.. Comportamento de animais exóticos de companhia: Aves, repteis e mamíferos de pequeno porte. 1° edição São Paulo: Roca, 2009.
Matéria postada por:
Av. Dr. Armando Sales de Oliveira, 730 Taquaral - Campinas SP CEP. 13076-015 Fone: +55 19 32949055 ou +55 19 19 32940644.