Manutenção: Antonia

Em Junho, fizemos uma visita para uma cliente que havia comprado um aquário em nossa loja há 8 meses reclamando que não estava conseguindo manter peixes em seu aquário pois toda vez que trocava a água do aquário, morriam peixes.

Na visita, encontramos o aquário com as plantas precisando podar, algas petecas (Audouinella) , pH 7,2 e amônia a 1 ppm. O aquário possuía duas lâmpadas Boyu 20w (sendo que uma estava queimada), cannister Via Aqua , termostato Via Aqua 100w.





Passei orçamento da manutenção e assim que aprovado iniciamos a recuperação do aquário. Em vista da situação que se encontrava tínhamos duas oções:

1ª Tratar a água do aquário com algicida, diminuir o período de iluminação, colocar no filtro um removedor de fosfato e remover algumas plantas muito infestadas por alga peteca. Porém tal tratamento iria custar caro, em vista do que o cliente estava disposto a gastar.

Então passei para a segunda opção:


Retirei os peixes e coloquei em outro aquário, aproveitando o máximo possível da água antiga, removi pedras e lavei com maquina de alta pressão (tipo Wapp) e descartei todas as plantas, para que diminuísse ainda mais as chances de reincidivas de algas petecas.


Enquanto estava retirando a água aproveitei e removi certa quantidade do substrato (areia) que também estava muito infestado com algas. Tive de tomar muito cuidado nessa hora, pois o aquário fora montado com laterita e substrato fértil e não era interessante remove-los junto da areia.

Logo após a limpeza das pedras e colocar areia nova, inicie a limpeza das plantas que seriam utilizadas para layout.



(Para aprender como limpar plantas é só procurar as matérias com tema: Como limpar plantas antes de colocar no aquário)


A foto abaixo mostra o aquário já plantado, porém fiz um experimento com este aquário e coloquei algicida em excesso (durante o experimento o aquário estava sem peixes e coloquei poucas plantas), para tentar inibir ainda mais as chances de um possível surgimento de algas petecas e observar a respostas das plantas.


Passado uma semana, realizei uma TPA (troca parcial de água) de 60% e coloquei novas plantas e após 5 dias comecei gradativamente a colocar os peixes no aquário.


Nesta foto é possível observar o crescimento de algumas plantas.


Matéria postada por:

Thiago Cruz - thiago@aquariushobby.com.br

Av. Dr. Armando Sales de Oliveira, 730 Taquaral - Campinas SP CEP. 13076-015 Fone: +55 19 32949055 ou +55 19 19 32940644.





Nós confiamos em Deus!

p1

Notícias: Feira de peixes será aberta hoje 14/08/2009

CLEBER LAZO

A partir de hoje, Mogi das Cruzes passará a ser rota de empresários dos ramos de lojas de animais, que comercializem peixes, tenham pesque-pagues, além de técnicos em aquarismo - profissionais que os utilizam como peças de decoração. Isso graças à feira de peixes ornamentais que passará a ser realizada todas as sextas-feiras, no Mercado do Produtor, no bairro do Mogilar. Além das espécies, serão vendidos acessórios e plantas, somente no atacado.

Excepcionalmente hoje, o evento vai ser aberto a partir das 16 horas e contará com a presença do prefeito em exercício José Antonio Cuco Pereira e do secretário municipal de Agricultura, Oswaldo Nagao. Nas próximas semanas, a exposição atenderá o público das 14 às 16 horas.

Segundo Nagao, o objetivo é difundir este ramo de atividade na Região. "Identificamos um crescimento acentuado e que não havia nenhum evento deste porte no Alto Tietê", afirmou.

Aproximadamente 30 pessoas criam peixes ornamentais na Cidade. "Eles não substituíram um produto pela criação dos peixes, mas conciliaram as plantações com a nova atividade", explicou.

Centenas de espécies serão expostas. Os preços são os mais variados possíveis, desde R$ 0,30 até mais de R$ 60,00.

Setenta e cinco expositores, de cidades como Igaratá, no Interior do Estado, vão ocupar uma área de 700 metros quadrados. Os peixes serão expostos dentro de sacos plásticos.

"As perspectivas são muito positivas, pois a adesão dos criadores e comerciantes à nossa ideia foi muito grande. Todas as vagas disponíveis estão preenchidas e temos 20 pessoas na fila de espera", destacou o secretário.

A ação, segundo ele, faz parte do programa para revitalizar, gradativamente, o Mercado do Produtor. "Quando falamos em revitalização, não estamos nos referindo apenas à questão física, mas também à profissionalização dos comerciantes, na melhoria da limpeza e ampliação da quantidade de produtos", assinalou Nagao. O evento poderá gerar mais de 100 empregos.

A vantagem de Mogi em relação a Guarulhos, onde ocorre uma grande feira de peixes ornamentais, segundo o secretário, é a localização próximo da Baixada Santista e Capital.

A Prefeitura também oferece outros atrativos aos expositores. Por meio de parceiras com a Fatec de Mogi, os produtores rurais serão informados sobre formas de criação e mesmo regularização no Ibama para aqueles que ainda têm pendência. Além da faculdade estadual, são parceiros da Prefeitura no projeto o Sindicato Rural e a Secretaria de Estado da Agricultura, por meio de seu escritório regional.

Matéria retirada do site: http://www.odiariodemogi.inf.br dia 14/08/2009





Nós confiamos em Deus!

p1

Manejo Básico


Manejo Básico

O Betta splendens é bastante resistente, pouco exigente e bem fácil de ser criado. Requer pouco espaço (betteiras de 2 litros já bastam), a água não precisa ser aerada ou filtrada.


Lembre-se, em seu habitat natural, vivem em charcos e plantações de arroz (águas de pouca ou nenhuma correnteza, com baixos níveis de oxigênio) e sua alimentação é basicamente de mosquitos, larvas e vermes, encontrados em abundância nesses locais.



Quatro preocupações básicas precisam ser seguidas para manter o equilíbrio do aquário e evitar o estresse do peixe:


  1. Alimentação bem dosada, variada e balanceada
  2. Manter a água limpa, declorificada (sem cloro) e livre de restos de comida/dejetos dos peixes
  3. Manter o pH entre 6,8 e 7,4
  4. Manter a temperatura da água entre 24 e 30 °C

  1. Alimentação bem dosada, variada e balanceada


Alimente seu Betta splendens, preferencialmente 2 a 3 vezes ao dia. Numa quantidade suficiente para que não sobre alimento na água, que seja consumido imediatamente.

  • Ração granulada: ofereça 3 a 4 grânulos, no máximo, de cada vez.
  • Ração flocada: ofereça uma pitada pequena, bem esfarelada, de cada vez.

Seja exigente na escolha da marca, prefira alimentos capazes de atender as necessidades nutricionais do animal. Isto fará toda a diferença na saúde de seu peixe.


Se você tiver espaço em sua casa/apartamento, tempo e vontade, faça culturas de alimentos vivos. Eles são essenciais na dieta do Betta. Não podendo, compre em lojas de aquários ou de criadores conhecidos. Só não deixe de oferecê-los ao animal.


  • Ofereça alimentos vivos 2 ou 3 vezes por semana, se possível variando o alimento, expandindo as opções do cardápio (alguns alimentos vivos, em alguns períodos do ano, são mais difíceis de se conseguir - geralmente no inverno, nas regiões muito frias).

Na mudança de dieta, é provável que o peixe estranhe o novo alimento. Tenha paciência! Esta é uma reação nornal do peixe e pode ser observada também em outros animais. Vá oferecendo insistentemente e retirando o que foi rejeitado do aquário.



Leia o tópico "alimentação equilibrada" (www.bettabrasil.com.br). Nele discorremos com mais detalhes sobre os alimentos industrializados e vivos.


  1. Água limpa, declorificada (sem cloro) e livre de restos de comida/dejetos do peixe

Em geral, precisamos trocar parcialmente a água da betteira a cada 4 ou 5 dias. Procure substituir algo próximo dos 30% da água do aquário (vide: alertas sobre cuidados com o pH e a temperatura da água).

  • Passe de 70% da água do aquário para outra vasilha (provisória);
  • Em seguida passe o Betta para esta vasilha. Pegue-o com um puçá (redinha), jamais com a mão;
  • Jogue fora o restante da água, limpe bem o aquário, sem produtos químicos (sabão, detergente, etc.);
  • Coloque 30% de água:
    • limpa, descansada, declorificada (existem vários produtos no mercado para este fim - prefira aqueles que preservam a mucosa do peixe);
    • com pH tendendo para 7,0 (neutro); e
    • temperatura na faixa entre 24 e 30 °C, o mais próximo possível da temperatura atual da água da betteira;
  • Volte o peixe e a água que estavam na vasilha provisória, para a betteira.

Assim você evita o estresse excessivo do peixe, preservando sua resistência à doenças e problemas futuros.



  1. Manter o pH entre 6,8 e 7,4

O grau de acidificação ou alcalinidade da água é expressado em valores de pH, o que literalmente significa "poder de hidrogênio".


Esta escala é baseada na inversa concentração de íons de hidrogênio na água, quanto mais íons de hidrogênio, mais ácida é a água e mais baixo o valor do pH, então, quanto menos íons de hidrogênio, mais alcalina será a água e maior será seu valor de pH.


A escala de pH varia entre 0 (extremamente ácida) até 14 (extremamente alcalina), com um pH de 7 sua água será neutra.


escala de pH


Existem muitas opções de kits de medição e produtos para correção de pH, em lojas de aquários, à preços acessíveis. Antes de acrescentar/trocar a água na betteira (aquário), procure equalizar o pH da água descansada e declorificada, tentando levá-la num ponto intermediário entre o pH da água que está no aquário no momento e a neutralidade da água. É preciso evitar grandes alterações de pH e conseqüente estresse do peixe.


Para a correção do pH, siga rigorosamente as instruções do fabricante dos produtos corretivos, tendo como regra básica o exercício da paciência.


Faça a correção do pH de forma lenta, fazendo medições intermediárias, até chegar no ponto considerado ideal. A escala do pH é logarítmica. Um pH de 5,5 é 10 vezes mais ácido do que água com um pH de 6,5. Alterar o pH de forma rápida e abrupta na escala de medição, pode lhe parecer pouco, mas é muito perturbador para os peixes.


  1. Manter a temperatura da água entre 24 e 30 °C

O peixe é um animal pecilotérmico, isto é, adquire a temperatura do meio onde vive. Não possui sangue quente como os mamíferos, por isso o mecanismo biológico está condicionado a temperatura ambiente.


Os cuidados com os parâmetros da água, não se restringem a parâmetros químicos. A temperatura é de vital importância para o peixe. Uma variação brusca na temperatura da água pode ser muito prejudicial a vida do animal.



Para o Betta splendens a temperatura mais adequada deve estar entre 24 e 30 ºC. Nesse intervalo de temperatura as suas funções fisiológicas são estimuladas (crescimento, alimentação e procriação).


Para sabermos a temperatura do aquário, usamos um termômetro que pode ser interno, feito com mercúrio, ou digital (plástico), que é colado no vidro, na parte externa.


Para manter a temperatura sob controle, precisamos de um termostato e de um aquecedor. O termostato se encarrega de ligar e desligar o aquecedor, sempre que necessário.


Nas trocas parciais de água, evite colocar a água nova em uma temperatura muito diferente da encontrada no aquário, principalmente no inverno.


Saiba mais sobre a espécie visitando o website Betta Brasil (http://www.bettabrasil.com.br) e participando do grupo de discussões sobre o tema, mantido pelo mesmo website: http://br.groups.yahoo.com/group/bettabrasil/.

Marcio Luiz de Araujo
falecom@bettabrasil.com.br
Empresário da área de TI, desenvolve soluções para web. Graduado em Administração de Empresas pela PUC Campinas/SP. Aquarista hobbysta, apaixonado pela espécie Betta splendens, desenvolve e mantém o website Betta Brasil, é owner do Grupo de Discussões Betta Brasil.





Nós confiamos em Deus!


p1