Betta splendens, seres fascinantes

Entre os peixes ornamentais de água doce, são considerados os mais bonitos

Desde os meados da década de 70, os Bettas splendens começaram a aparecer no Brasil e caíram no gosto popular.

Originários do sudeste da Ásia, se espalharam pelo mundo. Eles foram trabalhados geneticamente ao longo dos anos e hoje possuem milhares de variações de cores e mais recentemente, formatos de caudas diferenciados. De sua aparência selvagem, caudas curtas e cores opacas, nada mais existe. Oferecem aos apaixonados pela espécie, enorme diversidade de opções de escolha, no momento de decidir qual linhagem desejam trabalhar ou simplesmente criar como mascotes. Praticamente não há limites!


Por serem peixes territorialistas, espécimes machos, precisam ficar confinados em aquários individuais. Já, espécimes fêmeas, podem habitar aquários coletivos, sem maiores problemas.

Como a maior parte do oxigênio que consomem vem de fora da água, através do labirinto, órgão interno responsável pela absorção do oxigênio injetado na corrente sangüínea do peixe, podem viver em água pobre de oxigenação. Esta característica do peixe também ajudou a popularizá-lo, pois reduz substancialmente o custo inicial de compra de equipamentos para criá-los. Basta um pequeno aquário, água, um kit de medição de pH de água, anti-cloro e ração industrializada para manter o mascote vivo e saudável. Acrescente a esta lista, um aquecedor e um termostato, se você mora em regiões do país, onde as temperaturas são instáveis ou abaixam muito no inverno.

O aquário não precisa ser grande, de 3 a 5 litros, são suficientes. Não requer aeração (bombas aeradoras), nem filtros (físicos, químicos ou biológicos). A cada 2 ou 3 dias, faça uma TPA (Troca Parcial de Água). Retire 30% da água do aquário e substitua por água nova, isenta de cloro e metais pesados, com parâmetros similares de temperatura (ideal entre 24 e 30 °C) e pH de água existentes no aquário (ideal entre 6,8 e 7,4), para não estressar o peixe.

Alimente seu peixe sempre em pequenas quantidades, várias vezes ao dia, se você pode fazer isto. Peque pela falta de alimentos, jamais pelo excesso. Se sobrar comida no fundo aquário, sifone as sobras para que a comida não venha a fungar dentro do aquário, prejudicando a qualidade da água e conseqüentemente comprometendo a saúde do animal.

Não faça economia na hora da escolha do alimento para o seu peixe. Compre o que há de melhor para o seu mascote, por mais oneroso que possa lhe parecer o pote da ração. Perceba que ela vai durar muito tempo, ao ponto de significar algumas míseras frações de centavos de reais por dia. Compre rações granuladas ou flocadas, os bettas aceitam bem os dois tipos.


Ocasionalmente e se possível, ofereça alimentos vivos para o seu peixe, tais como: náuplios de artêmias salinas, artêmias salinas adultas, daphnias, micro-vermes, vermes-do-vinagre, larvas de besouro-do-amendoim, larvas de pernilongo, enquitréias, vermes-de-grindall, branchonetas, moinas, etc. Seu animal agradecerá e retribuirá exibindo cores vibrantes, vigor físico e sexual. A maioria destes alimentos vivos podem ser cultivados sem maiores dificuldades, mesmo em pequenos espaços.

Então? O que você está esperando? Vá a loja de aquários ou petshop mais próxima de sua casa, escolha o Betta splendens mais bonito e ativo da loja e comece já neste magnífico hobby!

Saiba mais sobre a espécie visitando o website Betta Brasil (http://www.bettabrasil.com.br) e participando do grupo de discussões sobre o tema, mantido pelo mesmo website: http://br.groups.yahoo.com/group/bettabrasil/.



Marcio Luiz de Araujo
falecom@bettabrasil.com.br
Empresário da área de TI, desenvolve soluções para web. Graduado em Administração de Empresas pela PUC Campinas/SP. Aquarista hobbysta, apaixonado pela espécie Betta splendens, desenvolve e mantém o website Betta Brasil, é owner do Grupo de Discussões Betta Brasil.

Matéria retirada da revista Junho/2009
NegóciosPet - Mercado Pet, Aquarismo e Banho e Tosa
Editora: Top.Co.
Ano 11 - Edição nº 116
pp 64-66




Nós confiamos em Deus!